• Guaporé News

Paraná diz que testes da vacina russa no Brasil podem começar em 45 dias



O governo do Paraná se reuniu nesta quinta-feira, 27, com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para definir como será uma possível produção da vacina Sputnik V, anunciada pelo governo russo como a primeira capaz de combater o coronavírus.


O encontro contou com a presença do presidente do Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar), Jorge Callado, e o chefe da Casa Civil do Estado do Paraná, Guto Silva, além do diretor da Anvisa, Antonio Barra Torres.


O objetivo do encontro foi tratar da aprovação dos órgãos sanitários brasileiros da fase de testes da vacina russa no Brasil. De acordo com o governo do Paraná, a expectativa é de que todo o documento seja submetido à Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep) e à Anvisa em 30 dias e a testagem comece em 45 dias.


Em entrevista à EXAME, Callado, presidente do Tecpar, disse que se o cronograma for cumprido, a imunização pode ser feita no segundo semestre de 2021.


Toda a produção, que compreende também a fase de testes clínicos, vai ficar sob a responsabilidade do instituto paranaense. A previsão é que 10 mil voluntários participem do estudo.


No começo de agosto, o Paraná fechou um memorando de entendimento com o Fundo de Investimento Direto da Rússia para a produção da vacina, que é desenvolvida pelo Instituto Gamaleya.


Logo que a vacina foi anunciada, cientistas ao redor do planeta pediram cautela por considerarem pouco tempo para ter resultados seguros. Além disso, a Rússia ainda não divulgou os primeiros estágios de testes.


Questionado pela EXAME, o Tecpar disse que já recebeu os resultados das fases 1 e 2 de testes, necessários para garantir a eficácia da vacina. Disse ainda que por questões de confidencialidade do contrato não poderia dar mais detalhes, mas que tudo será apresentado no documento final à Anvisa.


Vacinas testadas no Brasil


Atualmente quatro vacinas estão em fase de testes clínicos no Brasil: a do laboratório chinês Sinovac, a do laboratório britânico AstraZeneca, da Johnson & Johnson e outra da Pfizer

A chamada fase 3, clínica, é realizada em um grande número de pessoas para testar a segurança e imunização. As fases anteriores são feitas em animais e em humanos, mas em uma quantidade muito pequena.


A chinesa e a britânica foram as primeiras a começar os testes em todo o mundo e são consideradas as mais promissoras até o momento. O governo de São Paulo, por meio do Instituto Butantan, vai financiar toda a produção da vacina do laboratório Sinovac.


Já o Ministério da Saúde aposta na vacina britânica. Quase 2 bilhões de reais foram reservados para a produção e imunização da população. Todo o processo será feito pela Fiocruz.


Fonte: Exame

0 visualização0 comentário